sexta-feira, 17 de abril de 2015

Recrutamento para a “Revolução de 32” em Santo Amaro/SP

Início de um conflito em Santo Amaro

Um movimento que eclode numa data fixa que fica como marco histórico inicia-se bem antes, nos meandros de articulações contrárias a algo imposto por um clã que desagrada a maioria, muitas vezes também parte de uma seleta organização que irá se mobilizar para garantir benefícios dentro de uma estrutura. Logicamente que tem que haver adesões de uma massa que forneça sustentação para que haja outra evolução dos fatos, uma re-evolução. Um momento marcante que inflamou ainda mais os adeptos contrários ao Golpe ocorrido no Brasil derrubando o governo de Washington Luís e, por conseguinte impossibilitando a posse de Júlio Prestes em 1930, foi o assassinato de cinco jovens ocorridos em São Paulo, e que foi o estopim da revolução formando a frente MMDC(A), sigla referente aos nomes destes mártires.

PLACA PRAÇA DA REPÚBLICA 
Outros jovens já estavam sendo recrutados em cidades paulistas para ficarem atentos para uma convocação imediata para uma eventualidade de enfrentamento com forças federais que se iriam formar para defender o governo “provisório de Getúlio Vargas. Eram nas escolas que estavam os jovens com dados pessoais que favoreciam o recenseamento militar.


Segue abaixo documento, transcrito conforma à época, enviado pela entidade escolar “Collegio Adventista”, que se localiza na Estrada de Itapecerica, sendo seu diretor à época Ellis R. Maas[1], para o então prefeito municipal de Santo Amaro, Francisco Ferreira Lopes.

                                                                                                                                                             
1º de março de 1932

Illmo. Snr. Dr. Ferreira Lopes
Prefeitura Municipal
Praça Floriano Peixoto
Santo Amaro, S. Paulo

Prezado senhor e amigo:

Em resposta ao seu aviso do dia 16 de fevereiro, e conforme as leis de recenseamento militar, estou devolvendo o formulário, que me foi enviado pelo senhor. Temos procurado preencher o mesmo com todo o cuidado, e diligencia. Temos somente inscriptos os brasileiros nactos, porém, entre os estudantes matriculados, temos catorze estrangeiros que têm vinte e um annos para cima. Também temos em nosso meio, nove reservistas, e conforme o formulário que estamos mandando, temos vinte brasileiros nactos, com  vinte e um e mais annos completos.

Espero que este relatório seja satisfactorio, mas se por acaso tiver alguma cousa, ou faltar, no mesmo, peço-lhe, o obsequio de me avisar o quanto antes, para poder endireitar.

Sem, outro assumpto neste momento, e estando sempre as suas ordens, fico,

D. V. S.
Amº. Attº. e Obrgº




Director

Foto abaixo: Vista aérea do Collegio Adventista (1935)



VIDE:

A REVOLUÇÃO DE 32 COMEÇOU EM 30 E CULMINOU COM O GOLPE DE 64

http://www.dicionarioderuas.prefeitura.sp.gov.br/PaginasPublicas/ListaLogradouro.aspx



[1] Ellis Maas foi diretor do Collegio Adventista, atual UNASP. Nomes anteriores: Ellis R. Maas, Elias Mass e por antiga estrada do Capão Redondo. Nome oficializado pelo Decreto nº 18.813, de 24 de maio de 1983. O processo administrativo referência nº 1671/45 é o que trata da oficialização do nome.

Sem comentários: