terça-feira, 12 de maio de 2015

As Indústrias Villares, o Piso da Fábrica, a Cidade de São Paulo e Santo Amaro

As duas Guerras Mundiais e A Grande Depressão Financeira ajudaram o desenvolvimento industrial do Brasil

Dois engenheiros ingleses, A.M.Lowsby e Frederich James Pirie, tinham chegado no final da década de 1910 ao Brasil vindos da Inglaterra para comandar a montagem de elevadores que eram produzidos em seu país. A cidade de São Paulo iniciava sua expansão e estava em grande efervescência urbana, passando do estágio de casas horizontais simples ou assobradadas por vezes construídas em taipa de pilão ou em tijolos de barro cozido fabricados em olarias circundantes da periferia da cidade, para o conceito do concreto armado de armações em aço que dava condições para grandes construções verticalizadas, conceito que iria revolucionar a arquitetura das grandes capitais. A inter-relação do aço com o cimento[1] propiciou a construção das grandes edificações da engenharia civil em concreto armado a partir do século 20. 




Foi construído o primeiro edifício da cidade, a Casa (Edifício) Sampaio Moreira[2] batizado de "o avô dos arranha-céus de São Paulo", com 13 andares e 50 metros de altura, inaugurado em 1924, até ser superado pelo Edifício Martinelli, então considerado o prédio mais alto da América Latina na época com 30 andares e 130 metros de altura, localizado na esquina da Rua São Bento com a Avenida São João, atingindo o quarteirão até a Rua Líbero Badaró, no centro de São Paulo. A construção foi iniciada em 1922, sendo pré-inaugurada em 1929 com 12 andares e finalizada em 1934[3] com suas características finais. 




O Desenvolvimento Industrial de São Paulo e a Indústrias Villares A 1ª Guerra Mundial causou a interrupção das importações de máquinas e equipamentos diversos, portanto pequenas oficinas (conhecidas com o jargão popular de “bocas de porco”) de reparos gerais controladas por artesãos passaram a fornecer equipamentos geralmente para a lavoura.


Existiam em todo o Estado de São Paulo muitas oficinas e fundições pois a 1ª Guerra Mundial havia propiciado a criação destes ramos de metalurgia e produção de peças e máquinas. A simbiose “imigrante e fazendeiro” foi o principio básico deste tipo de empreitada que desenvolveu máquinas de beneficiamento de arroz, cana de açúcar e principalmente o café[4].

Este era o quadro de desenvolvimento de uma cidade em franca expansão onde os sócios ingleses viram a oportunidade de implantarem uma pequena oficina para montagem e manutenção para conservação de elevadores, surgindo então a LOWSBY & PIRIE em 10 de janeiro de 1918, com capital inicial de 20 contos de réis.

Outro visionário recém formado pela Escola Politécnica de Zurique, na Suíça, em engenharia industrial, Carlos Dumont Villares, associou-se a empresa já na década de 1920 passou a denominar-se “Pirie,Villares & Cia”, passando a importar peças para montar elevadores e a produzir componentes elétricos e mecânicos. A partir dessa data a empresa, além da manutenção, passou a fabricar e montar elevadores que eram importados na ocasião. Em 1922 em um acidente com uma motocicleta que derrapou nos trilhos do bonde da Avenida São João, em São Paulo, Carlos Dumont Villares veio a falecer com apenas 29 anos. 

Luiz Dumont Villares[5], devido à fatalidade ocorrida com seu irmão, assumiu a pequena oficina numa casa apertada no centro de São Paulo que foi se transformando em fábrica. Parte da montagem dos elevadores era feita na calçada em frente às instalações da recente criada empresa. Os clientes eram conquistados no corpo a corpo. 

Em 1926, casa-se com dona Leonor Diederichsen e em plena lua-de-mel nos Estados Unidos foi visitar a fábrica da Westinghouse Eletric Corporation, na cidade de East Pittsburgh, que já estava fabricando as mais avançadas máquinas e motores para elevadores de alta velocidade, pois ainda existiam elevadores de “portas pantografadas” de baixa velocidade. Foi lhe apresentado um produto revolucionário, a geladeira elétrica, entusiasmado vendo nisso um nicho de oportunidades passou a representá-la, oferecendo a marca Frigidaire em padarias, açougues e sorveterias, sendo uma novidade naquele momento, pois substituíam as pedras de gelo adquiridas para conservação alimentar e gelar bebidas.

O sucesso da geladeira permitiu a ele “acumular o pé-de-meia” necessário para montar a fábrica com área física de 1500 metros quadrados, no Canindé, “onde tudo começou", declarou o filho Paulo Diederichsen Villares[6]. Em 1928, a Pirie,Villares &Cia, tornou-se vencedora da concorrência, para a instalação dos primeiros elevadores de alta velocidade no Edifício “A Noite” primeiro arranha-céu construído no Rio de Janeiro. Na Revolução Constitucionalista de 1932 passou a fornecer bombas para as tropas com supervisão da Escola Politécnica de São Paulo. Em 1936 a empresa muda-se para o bairro Cambuci. 

Mais tarde passou a fabricar motores, cabinas e portas de elevadores. Devido às novas atividades desenvolvidas pela empresa, foi criada a Divisão de Metalurgia com instalação de forno elétrico para fundição para produção das peças em ferro fundido devido às dificuldades de importação no apogeu da Segunda Guerra Mundial.
 
A empresa Pirie, Villares & Cia., passa a denominar-se 
Elevadores Atlas S.A.
 

Em 1941, recebeu a visita do presidente Getúlio Vargas inaugurando a primeira prensa de forjamento de aço de 500 toneladas de força da América Latina.
Em 1942, foi adquirida área de 75.000 m² para abrigar as novas instalações da Divisão Metalurgia da empresa. Em agosto de 1944, fundava-se a Aços Villares S.A. com a finalidade de importar manufaturados de aço e comercializar peças fundidas, barras e chapas de aço produzidas pela Usina, já em pleno funcionamento em São Caetano do Sul.

O período que vai de 1946 a 1950 foi a base do segundo surto de industrialização do Brasil e, principalmente de São Paulo, na década de 50. As fábricas puderam importar equipamento novo, a frota de veículos foi renovada, foi criado o setor estatal de siderurgia (a CSN começou a produzir em 1946), a Vale do Rio Doce ganhou sua batalha contra a Exibank em 50, foi incentivada a indústria de transformação, firmou-se o setor de peças para veículos, foram construídas as primeiras refinarias, inclusive particulares, o cinema voou alto, nasceu a televisão, desenvolveu-se o setor de eletrodomésticos. (...) A marca “Indústria Brasileira” passou a ser gravada em centenas de produtos. (...) A partir de 1947 nos tornávamos progressivamente fornecedores de nossas próprias fábricas.

Em 1944 é constituída a empresa Aços Villares S.A, no Município de São Caetano do Sul, em São Paulo, para exploração da indústria e do comércio do aço e produtos correlatos ampliando a sua linha de produção “celebrou acordo de assistência técnica com a empresa austríaco-alemã Gebrüder Böhler & Co. A. G., tendo em vista o aperfeiçoamento de técnicos brasileiros e a colaboração de técnicos estrangeiros”, originária da divisão de metalurgia da empresa Elevadores Atlas S.A. Em 1945  a  fundição da divisão de metalurgia de Elevadores Atlas S.A. foi  transferida para novas  instalações em  São Caetano do Sul.  Em 1949, 2.332 elevadores Atlas estão em manutenção e 832 em produção numa cadeia em série.
Em 10 de outubro de 1944 alguns abnegados do ramo industrial fundaram a Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração, ABM, sendo um de seus signatários Luiz Dumont Villares, reconhecido “in memorium” em 1981 com a premiação da ABM.

Em 1954 é inaugurada a primeira escada rolante e a primeira garagem automática produzidas no Brasil pela Villares. Da fabricação de componentes para elevadores, passa a criar vários equipamentos para própria utilização chegando a sofisticação na área de automação industrial.


Em 1960 foi inaugurada na Usina de São Caetano do Sul a forjaria pesada de Aços Villares e em 1966 foram inaugurados o laminador de 600 mm e o forno contínuo de tratamento térmico. Em 1967 foi construído o pavilhão de mecânica de cilindros em São Caetano do Sul.

Villares Metals S.A.: O Grupo Böhler-Uddeholm AG adquire parte da indústria Aços Villares

A Villares tutora uma marca quase centenária, possuindo em sua estrutura indústria know-how, conhecimento adquirido nas várias etapas produtivas que deram à empresa a vocação para ir muito além do aço. Iniciou suas atividades fornecendo serviços de montagem e manutenção de elevadores. Luiz Dumont Villares passou a comercializar barras, chapas e peças fundidas de aços especiais. Com a fusão dos negócios de aços de alta liga da Aços Villares e a Eletrometal, nasceu em 1996 a Villares Metals, situada na cidade de Sumaré, SP.

Em 2000 a Villares Metals passou a ser controlada pelo grupo espanhol Sidenor que adquiriu a maioria (52%) das ações da empresa. Em 2004 a Sidenor vendeu a participação maioritária para a empresa autríaca Böhler-Uddeholm AG, assumindo o controle sobre a Villares Metals S.A. que por sua vez foi incorporada ao grupo austríaco Voestalpine AG.

Houve também a aquisição do controle acionário da Corporación Sidenor S.A. em 2006 pelo Grupo Gerdau juntamente com o Grupo Santander e holding de executivos espanhóis. (http://www.acosvillares.com.br/wwwroot/historico/ano.xml )

A Villares Metals atua no ramo de aços e ligas especiais longos em segmentos da indústria que exigem alta tecnologia e desempenho. Sua essência é seu know-how técnico especializado que permite oferecer soluções que agreguem valor a cadeia produtiva em que está inserida.

A Elevadores ATLAS: por Paulo Diedeichsen Villares

Passou a fabricar motores, cabinas e portas de elevadores. Quando percebeu que os fornecedores não tinham fôlego para acompanhá-lo, (Luiz Dumont Villares) resolveu ele próprio produzir peças fundidas em aço. Em 1941, recebeu a visita do presidente Getúlio Vargas ao inaugurar a primeira prensa de forjamento de aço de 500 toneladas da América Latina. A partir daí, o crescimento foi vertiginoso. Batizou de Atlas a fábrica de elevadores e criou a Aços Villares. Eram tempos mais amenos. Quando pediu à Light um acréscimo de energia elétrica, não houve assinatura de contrato. O presidente da Light, Odilon de Souza, puxou um fio da barba para selar o compromisso, que foi cumprido. Nos anos 50, a Atlas era a terceira do mundo e ele ganhou a concorrência para instalar elevadores em todos os prédios oficiais de Brasília. Em 1963, aceitou ser presidente da Cosipa (estatal do aço) e, quando os militares tomaram o poder, instauraram inquérito contra ele. Em 1965, a denúncia foi rejeitada pelo Ministério Público. Em 1966, sentiu-se mal no metrô de Nova York. Eram os primeiros sintomas dos problemas circulatórios que o matariam a 14 de junho de 1979. As dificuldades levaram a empresa, em 1995, a associar-se à Acesita e ao grupo Sul América. E foi justamente o desinteresse dos sócios em prosseguir no ramo dos elevadores que levou a holding a vender a Atlas, em maio de 1999. "Como a empresa ia bem, era hora boa para vender. A família tinha apenas 16% da companhia e ficou em posição fragilizada para tocá-la sozinha", afirma Paulo Villares. Um instante depois, como se lembrasse a trajetória do pai, ele acrescenta: "Vender a Atlas doeu muito, doeu demais."

AS PROMESSAS DE GOVERNO

Em 1974, durante a inauguração de uma linha do metrô de São Paulo, o então presidente da República, Ernesto Geisel, chamou Paulo para uma conversa. Na época, o governo perseguia a auto-suficiência do país na indústria de base.
"Quanto você vai investir em bens de capital?", perguntou-lhe Geisel. Resposta de Paulo: "Cerca de 10 milhões de dólares." Geisel retrucou: "Só? Quero que você assuma o compromisso de investir muito mais." A partir daquela conversa, os planos da Villares assumiram outra dimensão. Confiante em promessas de encomendas do governo, o grupo, que concentrava o grosso de suas atividades na produção de elevadores entrou com tudo na produção de bens de capital e também no fornecimento de matéria-prima para esse setor. (EXAME 10/05/1996)
A empresa começou a definhar nos anos 70, depois que entrou no projeto Brasil Grande, do presidente Ernesto Geisel. O governo incentivou o grupo a crescer com a promessa de crédito subsidiado e encomendas gigantescas. A Villares comprou a promessa e investiu US$ 600 milhões em novas fábricas. Quando estava tudo pronto, o governo ficou sem caixa. Começava ali a agonia do grupo e uma sucessão de crises e dívidas.

A Elevadores Atlas em Santo Amaro/SP



 Em 1971, a expansão contínua das atividades leva a mudança das Indústrias Villares S/A, para a região de Santo Amaro, sendo distribuída em dois setores distintos: Elevadores Atlas S/A Filial 2 situado na Avenida  Interlagos, 4455 e Avenida Miguel Yunes 450, no  Bairro de Santo Amaro, São Paulo, com sua parte da construção de elevadores com torre de ensaios para os mesmos em conjunto com a fabricação escadas rolantes. Do lado oposto situava-se a fábrica de motores elétricos para o setor siderúrgico, tração de metrôs e carros ferroviários e trólebus, além de geradores elétricos.



----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Depoimento na Gazeta de Santo Amaro, 15 de março de 1975

Grupo Villares: “Deverá atender sempre, a função social das empresas que o integram”  
O presidente executivo Paulo Diederichsen Villares ressaltou que o complexo industrial que dirige “deverá estar em harmonia com o desenvolvimento do Brasil considerando também as oportunidades internacionais atendendo sempre a função social das empresas que o integram”.
“A satisfação de seus clientes -acrescenta- será alcançada mediante excelente prestação de serviço e qualidade dos produtos bem como pela antecipação de suas responsabilidades e cumprimento das obrigações assumidas”.
E conclui: “O Grupo Villares procurará manter sua posição de pioneirismo industrial e tecnológico, fabricando produtos de alta sofisticação técnica e atuando nas obras que exigem grandes investimentos em instalações, formação de recursos humanos e obtenção de tecnologia”.

O Grupo

Diversificação de bens e serviços de alta sofisticação técnica, pioneirismo industrial e tecnológico e contínua expansão de atividades no Brasil e no exterior, constituindo as principais características do Grupo Villares, hoje um complexo industrial cujo embrião, em 1918, foi uma oficina para montagem e manutenção de elevadores importados. É integrado pelas empresas: Aços Villares, Indústrias Villares (Divisão elevadores e Divisão Equipamentos), Ferropeças Villares, Villares Wrightson Engenharia Ltda, Elevadores IEM- Villares, no México, Villares Overseas Co, nos EUA, além de um sucursal de indústrias Villares em Bogotá e filiais e representantes em toda América Latina.

Villares em Santo Amaro

Indústrias Villares S.A., com capital social de Cr$ 136.636.400,00, é composta pela Divisão Equipamentos, localizada em São Bernardo do Campo, numa área construída de 33 mil m2 em um terreno de 90 mil m2, e pela Divisão Elevadores instalada em Interlagos – Santo Amaro – em um terreno de *205 mil m2 com área construída de 70 mil m2. Em conjunto, as duas divisões possuem 7.668 funcionários, dos quais 179 são engenheiros, 78 técnicos de nível superior e 697 de nível médio.

Divisão Elevadores:

A empresa instalada em Interlagos – Santo Amaro é considerada a maior fábrica do gênero no Hemisfério Sul, se especificando na produção de elevadores Villares-Atlas, que são exportados há mais de 20 anos para quase todos os países da América Latina. Há pouco tempo, iniciou exportações de unidades de corrente contínua para Portugal e Moçambique. Seu equipamento de tração elétrica é fabricado sob licença da Westinghouse International Company, com quem mantém contrato de assistência e troca mútua de informações.

A linha de produção da divisão Elevadores é composta por elevadores para passageiros, elevadores para carga, elevadores para automóveis, monta-cargas, planos inclinados, plataformas giratórias, escadas rolantes, conjuntos de tração e comando para trólebus e motores elétricos e comandos para carros de metrô.

A Divisão Elevadores é uma indústria integrada, isto é, produz praticamente todos os componentes de seus produtos. Com isso, garante a alta qualidade que sempre caracterizou os elevadores e escadas rolantes Villares-Atlas.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As Indústrias Villares de Divisão Elevadores possuía linha de produtos diversificados estando no escopo os elevadores de passageiros Atlas, elevadores de maca Atlas, elevadores de carga Atlas, elevadores para garagens automáticas Atlas, equipamentos “monta-cargas” Atlas, entre tanto produtos fabricados pela empresa. Em 1993 essas instalações, da maior exportadora deste seguimento para a América Latina, instalada em Santo Amaro, começava a ser desativada e suas maquinas e equipamentos começam a ser leiloados em lote, terminando mais um capítulo das indústrias na região, uma desativação silenciosa e contínua que culminou com toada a desestruturação do “parque industrial” local.





UMA NOVA ETAPA: A marca Schindler no Brasil




A história dos elevadores Schindler começou em 1920 com o início do processo de verticalização das construções urbanas no país, quando a empresa comercializou seus primeiros elevadores no Brasil. Com o sucesso adquirido no país a empresa estabeleceu-se no Rio de Janeiro, em 1937, com a razão social Elevadores Schindler do Brasil. A Schindler inovou o mercado brasileiro em 1952, com a primeira garagem automática produzida no país. Em 1954 inaugurava sua fábrica de equipamentos para transporte vertical, no Bairro de São Cristóvão, Rio de Janeiro. Em 1956 instalava elevadores em todos os prédios oficiais de Brasília, futura Capital Federal do Brasil. Na década de 90, a Schindler passou a ocupar posição de destaque no mercado brasileiro de elevadores quando em 24 de maio de 1999, o grupo suíço adquiriu o controle acionário da Elevadores Atlas S.A., começando então a integração entre as empresas Elevadores Schindler do Brasil e a Elevadores Atlas.

Aquisição da Elevadores Atlas

“O grupo suíço Schindler em 24 de maio de 1999 assume o controle da Elevadores Atlas por R$ 462 milhões, ao adquirir 63,64% das ações da tradicional empresa brasileira, fundada há 80 anos em São Paulo pela família Villares. As demais ações serão adquiridas por oferta pública e o valor estimado é de R$ 241 milhões, segundo o presidente do grupo comprador, Mauro de Curtis. O grupo Schindler foi fundado em 1874, tem sede em Berna, na Suíça, e é um dos maiores fabricantes de elevadores e escadas rolantes do mundo. O faturamento do conglomerado foi de US$ 4,6 bilhões em 1998 em todos os países em que atua, com um total de 40 mil empregados. A empresa tem atualmente 1.400 funcionários em território nacional e assume, com a aquisição, outros 3.600 trabalhadores da Atlas”.

A empresa Elevadores Atlas é independente do grupo que constitui a Aços Villares desde 1996. Entre os proprietários de ações que fecharam o acordo de venda para a Schindler estão a Acesita, o fundo de investimentos Matrix, a Investidor Profissional e integrantes da família que fundou a empresa há mais de seis décadas, como Paulo Diederichsen Villares, Elisa Villares e Mário Ramos Villares.
(24 de maio de 1999 DIARIO DO GRANDE ABC)

NOTA: Crônica sujeita a revisões para aprimoramento das informações e complemento da historiografia.

Referências bibliográficas:


A história de Martinelli, o imigrante que sonhou subir aos céus







Revista EXAME 10/05/1996

Revista ISTO É, 23/10/2002 - As Lições de Villares, O Conselheiro

Catálogo histórico Villares-* dimensões conforme catálogo. Na Gazeta de Santo Amaro de 15 de março de 1975 consta 225 mil mcom área construída de 90 mil m2
Gazeta de Santo Amaro, 15 de março de 1975

Trajetória Villares 70 anos

NEVES, Osias Ribeiro; CAMISASCA, Marina Mesquita Aço Brasil: uma viagem pela indústria do aço Belo Horizonte: Escritório de Histórias, 2013.
 
DEAN, Warren. Tradução Octavio Mendes Cajado. A industrialização de São Paulo (1880-1945). São Paulo: Editora USP, 1976.
 
LEFF, Nathaniel H. The Brazilian Capital Goods Industry 1929-1964. Cambridge: Harvard University Press, 1968.
 
SIMONSEN, Roberto. A evolução industrial do Brasil. São Paulo: FIESP, 1939.
 
SUZIGAN, Wilson. Indústria Brasileira. Origem e desenvolvimento. 2ª ed., São Paulo: Huicitec/Unicamp, 2000.
 
ÂNGELO, Ivan. São Paulo – 110 anos de industrialização – 1946-1954 – Fascículo da Revista Isto É. Editora Três, 1990)
HOMEM, Maria Cecília Naclério. O prédio Martinelli: a ascensão do imigrante e a verticalização de São Paulo. São Paulo, Projeto,  1984.




[1] A Indústria de Cimento no Brasil: No Brasil, estudos para aplicar os conhecimentos relativos à fabricação do cimento Portland ocorreram por volta de 1888, quando o comendador Antônio Proost Rodovalho empenhou-se em instalar uma fábrica na fazenda Santo Antônio, de sua propriedade, situada em Sorocaba, São Paulo.
Os primeiros registros de produção de cimento datam dos primórdios da indústria brasileira. Em 1892, uma pequena instalação produtora na ilha de Tiriri, na Paraíba, construída por iniciativa do engenheiro Louis Felipe Alves da Nóbrega, que estudara na França e chegara ao Brasil com o projeto da fábrica pronto. Chegou a funcionar durante apenas três meses devido à distância dos centros consumidores e à pequena escala de produção, que não conseguia competir com os cimentos importados da época.
No ano de 1897, ocorreu à instalação de uma primeira fábrica de cimento no país, a Usina Rodovalho, no Estado de São Paulo, com a produção do cimento marca Santo Antonio com capacidade de 25 mil toneladas, logo foi paralisada com reativação em 1904, quando foi comprada pela empresa AR Pereira & Cia. Mesmo assim, passado alguns meses de retomada das atividades houve sucessivas interrupções na produção. Em 1918, a Sociedade Anônima Fábrica Votorantim a adquiriu e a manteve funcionando até fechá-la no início da década de 1920.
A instalação definitiva de uma unidade industrial ocorreu somente no final da década de 1920, com a entrada em operação de uma fábrica da Companhia Brasileira de Cimento Portland com capacidade de produção de 60 mil toneladas com controle acionário de 70% de capitais canadenses, e 30% de capitais nacionais. A fábrica foi instalada no Bairro Perus, Município de São Paulo, local de reservas de calcário e próximo do maior consumidor de cimento, São Paulo, que passava por uma profunda transformação urbana.
(http://pt.wikipedia.org/wiki/Cimento_Portland  e A indústria de cimento no Brasil: origens, consolidação e internacionalização - http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-45132011000100007 )


[2] Foi projetado pelo arquiteto Cristiano das Neves, que convenceu o comerciante português José de Sampaio Moreira a bancar o projeto de 1.900 contos de réis. A Rua Líbero Badaró, que até 1910 era uma rua estreita e mal-afamada, tinha sido alargada durante a década de 1910, como parte do plano de remodelação da região central da cidade. A Líbero Badaró passou de 7 para 18 metros de largura, e se tornou uma das mais valorizadas ruas comerciais da cidade.  Há nesta interpretação outro “interessado” ao título de 1º aranha céu de São Paulo e concorrente ao Edifício Sampaio Moreira: 



O Edifício Guinle é em estilo art nouveau com 36 metros de altura e sete andares, tombado pelo patrimônio histórico municipal, localizado na Rua Direita, São Paulo, SP, considerado o primeiro arranha-céu da cidade. Inaugurado em 1913, foi projetado pelo arquiteto catalão  Hyppolito Gustavo Pujol Júnior, a mando da família Guinle  para ser a sede paulistana da empresa Guinle & Cia., e tornou-se o prédio mais alto da cidade à época. http://www.arquiamigos.org.br/info/info11/index.html

[3] O seu proprietário era o Comendador Giuseppe Martinelli, imigrante italiano que fez fortuna no Brasil. O autor do projeto era o arquiteto húngaro Vilmos (William) Fillinger, formado pela Academia de Belas Artes de Viena, e, foi edificado a partir da técnica construtiva de alvenaria em tijolos e estrutura de concreto. Iniciado em 1922, foi inaugurado em 1929, com os 12 andares previstos no projeto original com possibilidade de atingir 18 andares. A construção era vista com desconfiança e ganhou força quando, durante as escavações, começou a minar água no subsolo que foi drenada e desviada do edifício. A obra era complexa para a época e em 1928 o proprietário resolveu aumentar para 20 andares. A construção foi embargada. A questão foi resolvida por uma comissão técnica que garantiu que o prédio era seguro, limitando-se a altura de 25 andares. Deste modo usando materiais mais leves, o Giuseppe Martinelli conseguiu fazer mais cinco andares, mas seu objetivo, contudo, era atingir os 30 andares, e o fez construindo sua nova residência com cinco andares no topo do prédio, para provar que seu empreendimento era seguro. Deste modo o prédio chegava à altura de 105 metros. A construção do prédio acarretou sérios problemas financeiros, e em 1934 foi forçado a vender o edifício para o governo da Itália. Em 1943, com a declaração de guerra do Brasil ao eixo, todos os bens italianos foram confiscados e o Edifício Martinelli passou a ser propriedade da União, tendo sido rebatizado com o nome de Edifício América.

[4] Os incentivos oferecidos pelo governo para a produção de ferro e aço, tais como isenção de taxas para importação, redução de fretes e melhores condições de empréstimos, voltou a vigorar no período entre 1918 e 1925. Empresas de setores diversos cumpriram o papel de principais responsáveis pela modesta produção de aço e ferro durante as décadas de 20 e 30. Quase sempre as fundições eram complemento de suas atividades. Outras pequenas metalúrgicas foram surgindo nessa fase com a missão de produzir principalmente barras e vergalhões diversos para a indústria de construção, um dos setores que mais se fortalecia. Entre essas empresas podem ser citadas a Companhia de Aços Paulista, de São Paulo, produtora de maquinário e peças para mineração; o Grupo Dedini, fornecedor de máquinas e equipamentos para a indústria açucareira; a Oficina Mecânica Romi, que produzia arados e outras máquinas agrícolas e que, ao atingir um grau elevado de competência tecnológica, tornou-se uma das maiores indústrias de máquinas e ferramentas do país; a Aços Villares, cujo objetivo inicial era suprir a matriz - a Elevadores Atlas - fornecendo peças fundidas, e que, com o tempo, veio a se transformar em uma das maiores produtoras de aços especiais do Brasil; e a Mangels, que a princípio se especializou na produção de baldes metálicos, e, aos poucos, cresceu até firmar-se como um grande complexo industrial que fornecia desde botijões de gás, rodas e auto-peças, até recipientes criogênicos e relaminação de tiras de aços comuns e especiais. (O século XX e a substituição das importações -  http://www.abmbrasil.com.br/quem-somos/historico/ )

[5] Os Villares pertenciam a uma família portuguesa que chegou ao Brasil por meio do mestre de latim e português Antonio Joaquim D’Andrade Villares. Ele se naturalizou brasileiro em 1824. Três de seus filhos casaram-se com irmãs de Alberto Santos Dumont (o “Pai da Aviação). Um dos filhos, o Carlos (não é o mesmo da sociedade Pirie, Villares e Cia) voltou para Portugal em 1894 e, assim, na cidade do Porto, Portugal, nasceu Luiz Dumont Villares, tendo sido registrado como brasileiro no consulado do país. (A História do Aço no Brasil, Gráfica e Editora Pallotti, Porto Alegre/RS, 2005)
Luiz Dumont Villares nasceu em 28 de dezembro de 1899 e falecendo em 14 de junho de 1979. Fundou o Grupo das Indústrias Villares, fabricante dos elevadores Atlas, instalada no bairro do Canindé, uma pequena oficina destinada à instalação e manutenção de elevadores importados, origem de outros segmentos do campo metalúrgico e siderúrgico. Era sobrinho de Alberto Santos Dumont, irmão de sua mãe. Tinha visão futurista e introduziu no país idéias como a da garagem automática. "Vai chegar um momento em que estacionar será impossível e aí precisaremos estocar carros em prédios", previu no início dos anos 50. Custou a ser entendido e só em 1960 construiu-se a Garagem Araújo, em São Paulo, com 25 andares para 322 automóveis. Também fabricou os primeiros trólebus (ônibus elétricos) nacionais.

[6] Paulo Diederichsen Villares graduou-se pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo como engenheiro metalurgista, em 1960. Iniciou suas atividades na Villares em 1959, ocupando várias posições: diretor técnico, diretor de marketing e vendas da Aços Villares S.A. e vice-presidente Corporativo de Operações. Em 1972, passou à presidência das Empresas Villares e, em 1979, à presidência do Conselho. Foi também presidente da GEVISA – uma associação entre Villares e GE; membro do Conselho da IVIX, uma associação entre Villares e IBM; presidente do Conselho do Instituto Nacional de Governança Corporativa (IBGC); membro do Comitê Empresarial Permanente, do Ministério das Relações Exteriores, do Conselho Diretor do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI); e diretor do Conselho de Empresários da América Latina (CEAL). MEMÓRIAS DO DESENVOLVIMENTO, p. 287


1 comentário:

videoauladematematica disse...

Brasil precisa de nascer pelo menos unas 1000 Villares por ano !