segunda-feira, 10 de agosto de 2015

A Pintura Artística na Paróquia São Luís Gonzaga: Frei Lázaro Aparecido Diogo

PATRIMÔNIO SACRO NA PERIFERIA DE SÃO PAULO

No início do ano de 2004 a Paróquia São Luís Gonzaga estava em fase de término na sua construção civil, mas na arquitetura necessitava complementos de acabamento.
Suas amplas paredes necessitariam de uma representação artística que desse o sentido religioso e fosse condizente com toda parte litúrgica e mostrasse uma obra sem excessos, necessitando que fosse elaborado um projeto de estrutura artística às mesmas.

Era necessário contratar um artista que completasse uma ideia que transmitisse algo que fornecesse consistência a parte interna, uma construção reta, sem excessos. Apareciam sete vãos nas laterais onde seriam as aberturas das janelas restando no fundo próximo ao presbitério um espaço suficiente para ser completado como mural religioso, de ambos os lados.

ESPAÇO SAGRADO

Toda a simbologia completada pelo serviço do culto (liturgia) tem a representação de um mistério que se celebra, e deste aproximar pelo “religare” do homem com Deus, quando se apresenta as oferendas do pão na patena e o vinho no cálice que é a participação do banquete na mesa que é o altar, morte e vida, o derradeiro momento da paixão de Jesus Cristo e sua Ressurreição.
A eucaristia está ligada em participar do banquete e se aproximar da ceia oferecida por Deus, onde se manifesta o Sagrado, a transubstanciação do pão em corpo e vinho em sangue elevado aos céus pelo sacerdote. O envio por vezes incensado como para alcançar o Divino nas necessidades humanas.
Este espaço sagrado deveria ter representação iconográfica sagrada, onde a mente do artista já define toda a estética deste cenário, de um momento sublimado pela paleta e pincéis que darão forma aos momentos em todo seu trabalho.

A ARTE E O ARTISTA

Padre Edmundo da Mata conheceu o Frei Lázaro Aparecido Diogo, pintor e músico no Colégio Jesus, Maria, José, no bairro de Santo Amaro e sabendo de seus dotes artísticos em pintura sacra o convidou para idealizar um arrojado empreendimento: pintar os painéis da Paróquia São Luis Gonzaga e sua sacristia. Não se resumem a vida em algumas linhas por vezes algumas laudas, pois a individualidade de cada ser é maior pelos feitos apresentados.

O padre artista nasceu na cidade de Andradas, no sul de Minas Gerais em 11 de março de 1954.

No ano de 2004 começava um árduo trabalho de preparação para a obra, com andaimes sendo montados, o preparo das paredes para receber a pintura a óleo em painéis de aproximados 6 metros de altura, onde possui como auxiliar o piauiense Bento Alves. Nos espaços vazios das laterais e da parede frontal do presbitério foi construída uma segunda parede saliente as estruturas originais feitas de alvenaria que receberiam os painéis de três passagens bíblicas do novo testamento.

A formação estudantil de Frei Lázaro começou na cidade de Andradas, em Minas Gerais, e mais tarde ingressou no seminário dos capuchinos de Ouro Fino. Com aprofundamento acadêmico resolveu seguir estudando Filosofia e Teologia no Seminário de Petrópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, onde seu professor no Instituto Teológico Franciscano fora Dom Fernando Antonio Figueiredo, que era bispo de Teófilo Otoni. Somou a este dom a formação em Artes pela Universidade Federal de Minas Gerais, em Belo Horizonte, bacharelando-se em Artes na Faculdade de Belas Artes de São Paulo, em 1993, com bolsa de estudo financiada por entidade da Alemanha.

Devido ao trabalho constante não possui uma igreja para ministrar os ofícios religiosos, mas sempre que possível exercia seu sacerdócio pleno oficializando o culto religioso onde era convidado. Quando se formou a Diocese de Santo Amaro em 1989 escolhendo Dom Fernando Antonio Figueiredo como primeiro bispo de Santo Amaro, Frei Lázaro veio junto e se fixou em Santo Amaro, São Paulo.

Formar os traços dar a dimensão física das imagens, fazer o esboço com croqui, deslizando o carvão pela superfície plana, formando as proporções ideais da imagem requer sempre uma paciência e experiência que forma e forja o artista que desde pequeno enveredava pelo campo do desenho, esboçando imagens sacras familiares em seu tempo de criança em sua terra natal.

Antes desse desafio apresentado pela Paróquia São Luís Gonzaga, já havia tido outras experiências como a Catedral de Caratinga, Igreja da Padroeira Nossa Senhora Aparecida de Uberlândia, ambas em Minas Gerais, vindo a apresentar sua obra em São Paulo, na Igreja de Santo Antonio de Lausane Paulista, entre outras obras, somando a isso muitas honrarias recebidas em nome da arte sacra que criou.

A pintura a óleo é sua técnica mais utilizada nas igrejas, e onde possui larga experiência profissional, com preparação do “primer” de absorção de superfície, exigindo “planicidade” perfeita para depois receber a pintura definitiva.

As pinturas dos painéis fixos da Paróquia São Luis Gonzaga foram aos poucos tomando forma, por vezes do trabalho pouco se via das alegorias impedidas por algum entrave dos andaimes, mas pelas frestas aparecia delineada a grandeza da obra. 


Do lado esquerdo de quem entra no templo está representada a passagem da Anunciação à Virgem Maria. Do lado direito tem-se a representação de outro anjo que também anunciaria a Ressurreição de Jesus. 

Na parte frontal há a representação do Jesus elevado no Trono Divino com apóstolos estupefatos, seis personagens bíblicos de cada lado a olhar ao alto o momento da sublimação de Pentecoste. Há ainda várias passagens de imagens menores que representam as passagens terrenas de Jesus e vários anjos em posição de oração.

Na capela tem-se o momento da Transfiguração com Jesus assumindo seu poder Divino.

Na sala de acesso a sacristia, onde estão todos os paramentos, alfaias, livros litúrgicos e outras simbologias cristãs, aparece outro painel de beleza plástica de igual importância as demais escritas, que representa Maria com o filho Jesus ao colo, ladeados por dois anjos postados de cada lado.

Depois desta obra completada, a paróquia recebeu a tonalidade da arte sacra, dando ares de soberania como lugar sagrado. Mais tarde o Frei Lázaro recebeu a incumbência de produzir as estações da via Sacra, que está representado em 14 quadros colocados ao longo das paredes laterais, e que assumem toda a plenitude artística deste momento doloroso da paixão de Cristo, mas que foi representado com a singeleza pelo artista, Frei Lázaro.




A paróquia São Luís Gonzaga deste modo tem um acervo representativo do Patrimônio Sacro paulistano e que é engrandecido pela fé religiosa do povo jardinense que tem a primazia em possuir esta riqueza de alto valor artístico.
A OBRA EM SUA PLENITUDE



Aguarda-se a crítica da crônica para complemento e/ou alterações necessárias do texto.

Depoimento de Frei Lázaro Aparecido Diogo.

1 comentário:

Rose Prado disse...

Gostaria muito de poder ver fotos da antiga Paróquia S.Luiz Gonzaga no começo dos anos 80 ,sua escadaria que dava a Av. Maria Coelho de Aguiar,as ruas ao arredor da igreja,
A Igreja tinha várias salas e um pátio muito bonito que os jovens daquela época ficavam lá conversando depois das missas.

E ainda tinha o Colégio S.Luiz Gonzaga,onde aos domingos era realizada uma escolinha para catecismo,eu fui uma das professoras,era muito legal.

Gostaria de pedir também fotos das antigas escolas. Prof.Marechal Eurico Gaspar Dutra, o colégio que era feito de tábuas eu estudei nele,só existia da 1ª a 4º série se chamava primário, e a escola Prof. Luiz Gonzaga Pinto e Silva muito legal em meio dos anos 70 e 80 que foi minha época.

É possível conseguir estas fotos? faça uma pesquisa entre os moradores que tenham estas fotos seria maravilhoso revê-las,antigamente não se tirava muita foto porque o custo era muito caro,era um luxo ter uma máquina ou pagar as revelações.

Me lembro de um local no final da Rua Arlindo Fraga de Oliveira onde o proprietário era um japonês ele tinha uma loja que revelava fotos e vendia filmes,tente com a família dele.

Talvez seria uma boa opção de resgatar momentos da estória do Jd, São Luiz.

Adorei o blog,esta de parabéns.

Fico ansiosa para visualizar as fotos.

Existe um museu com fotos do Jardim São LUiz?

Excelente trabalho.

Atenciosamente,

Rosemeire.