sexta-feira, 26 de agosto de 2022

Fragmento de um Bairro Cheio de História Paulistana: Ipiranga

São Paulo, possui ainda algumas nuances do passado, presente em obras escondidas por entre novo conceito de urbanismo contemporâneo.

No Ipiranga, nos deparamos com uma dessas joias raras que nos espanta, em ter sido conservada antes da chegada da “máquina do progresso”. Sempre que nos deparamos com essas “obras de arte” encrustada por entre prédios atuais, perguntamos no nosso íntimo, quem era o morador da residência que admiramos em determinado tempo.
Na maioria das vezes não encontramos a história desse legado de família que participou do desenvolvimento da cidade, ficando a frustração do desconhecimento histórico daquele imóvel que por algum instante foi vibrante em todo contexto local. A casa a que nos referimos, situada na Avenida Nazaré, 366, Ipiranga, é uma obra prima que a ótica não nos deixa passar sem registrar todo esse vislumbre que nos fez parar para admirá-la. Arquivada na lente da câmera fotográfica, voltamos de onde partimos e fomos pesquisar o que ela representou para a cidade de São Paulo. A casa da Avenida Nazaré, 366, Ipiranga, São Paulo, consta ter sido a primeira edificação residencial construída em 1916, da referida avenida por Tito Oliani.





Se a casa parece imponente e de grande esplendor, imagina tal qual foi a surpresa ao saber que a casa foi residência familiar do maestro Fúrio Franceschini. Se a casa parecia de grande importância, descobrimos ter maior importância seu proprietário.
Citamos abaixo quem era o ilustre dono da casa, o Maestro Furio Franceschini, pequeno fragmento do que foi toda sua grande obra, com a vibração cultural emanada no interior da casa.
Furio Francischini nasceu em Roma em 04 de abril de 1880. Seu primeiro mestre foi seu pai Filippo Franceschini, professor do Conservatório de Roma da Real Academia de Santa Cecília. Estudou naquela Academia e na Escola Superior de Música em Roma, onde se diplomou com distinção. Estudou ainda em Paris onde teve por mestre J. Mouquet e na Escola de Solesmes estudou canto gregoriano com D. André Mocquereau.
Em 1904 no Rio de Janeiro era regente auxiliar da companhia lírica. Resolveu ficar. Fixou residência em São Paulo, onde permaneceu até morrer. Foi professor de música sacra e canto gregoriano no Seminário Central de São Paulo. Considerado como o maior organista do Brasil deixou como sucessor seu brilhante aluno: o organista Angelo Camin. Suas obras: "Curso de Análise Musical", "Compêndio de Canto Gregoriano" e algumas monografias. Foi autor de mais de 400 peças entre missas e cânticos sacros. Não aceitou convites para substituir seu professor Filippe Capocci como mestre de Capela da Arquibasílica de São João de Latrão e para ser auxiliar de D. Lorenzo Perosi e Mons. Rella na Capela Sistina. Foi membro fundador da Academia Brasileira de Música instituída por Vila Lobos. Suas obras musicais importantes foram: "Paixão segundo São João", de Bach, missas de Palestrina, composta Missa "Cristo Rei". Faleceu em 15 de abril de 1976.
(Dicionário De Ruas)
Obs.: A Fundação Nossa Senhora Auxiliadora do Ipiranga (FUNSAI) mantem a história do bairro do Ipiranga viva, prevê instalar na residência da Avenida Nazaré, 366, tombada pelo patrimônio histórico, que pertencia ao maestro, o Liceu de Artes Musicais Furio Franceschini, uma escola de música, com o propósito de beneficiar crianças, adolescentes e jovens.
(cred. fotos preto e branco do Maestro Furio Franceschini: Museu Vicente de Azevedo)

quarta-feira, 24 de agosto de 2022

Monumento e Museu Paulista (do Ipiranga), hoje, 24 de agosto de 2022

Visita não agendada!!!

Fomos ver os obreiros na restauração do Monumento a Independência e a fachada do Museu. No monumento não há cercas, acreditamos que a demanda precisa apresar-se, para fazer jus aos quase 4 milhões de reais de custo e não deu tempo de colocar tapumes para não se ver o andamento da obra.


Já o Museu será a grande madona do evento, porque está envolto em grande mistério “uspeano”, nada a declarar até o clímax do dia 7 de setembro, mas só se não for uma mídia importante, pois se for, escancara-se os portões das vaidades!

Sempre deixam algumas brechas, aliás recolher a história em São Paulo, podem ter certeza de que está cheia de “nãos” e proibições, onde o segurança, que faz seu trabalho, aliás bem-feito, tem o discurso lacônico bem decorado: “Não pode entrar, só 7 de setembro”!!! Ok, sigamos as regras do poder, que estará em palanque que já está sendo montado entre o Museu e o Monumento. 

Neste momento histórico os egrégios representantes titulares do Estado, estarão no ápice da glória, sentindo-se a cavalaria imperial tal qual em 1822, e também a massa, estará presente e será representada por aquele homem e seu carro de boi, olhando para a cavalariça no quadro fake News de Pedro Américo, o visionário pintor que na Itália imortalizou-se essa passagem segurando seu guarda-chuva, como se brandisse uma espada da vitória nesse momento raro. 

Há algum tempo desconstruí esse imponente quadro, que de verdadeiro nada consta, nem a Casa do Grito, aliás, pelo que consta na historiografia, nem o grito.

Desconstruímos na academia essa imagem, que se diga de passagem, ser considerada a obra mais importante, mas uma invenção típica de seu maior incentivador, Affonso Taunay. A Comissão do Monumento do Ipiranga, dirigida pelo conselheiro imperial Joaquim Inácio Ramalho, que contratou Pedro Américo em 1886 no valor de trinta e seis contos de réis. Estava selada a “importância” do que se pretendeu registrar para o Museu Paulista, uma ideia fundamentada no imaginário de quem detém a estrutura de poder. 

Mas, e sempre há um, mas, deixemos para lá isso, apenas conjecturas sem muita importância. O que vai valer mesmo é a festa dos 200 anos, corações batendo forte, só o de Dom Pedro que não, mas estará na cerimônia!!!

Depois irá haver eleições para o povo democraticamente no Estado de Direito, escolher os representantes da República Independente do Brasil e "depois do depois", haverá Copa do Mundo, muito futebol...a gosto do freguês!!!

Só alegria para o povo brasileiro e sua Pátria verde e amarela!!!




























segunda-feira, 22 de agosto de 2022

A Santa do Morro: Fé Interrompida!

Uma vez em Aparecida, interior de São Paulo, vi em um cume alto uma imagem, chamei-a de Santa do Morro e fui procurá-la.

 Não sei dizer ao certo se era fé ou apenas curiosidade, mas fui caminhar para conhecer, afinal quem saberia dizer-me o que representava e porque alguém iria fazer algo em um morro tão elevado.

 O trajeto era íngreme, um pedaço de rua em paralelepípedos e o resto terra batida. Fiquei imaginando porque alguém proporia fazer uma imagem em um lugar de tão difícil acesso e por quê?

 Isso faz mais ou menos uma década, e lá chegando deparei-me com um lugar simples, havia um pequeno recanto, para manter o lugar, mas bem simples. Conversei com o atendente que havia feito a obra, que disse-me haver a história do porquê que eu procurava. Estava na entrada da escadaria em caracol que foi feita dentro da imagem que dava acesso ao topo da santa. Tirei uma foto, não muito nítida, mas que estava escrito expondo o motivo da construção e que deram o nome de Mirante da Santa:

 “O Mirante da Santa foi construído por uma graça alcançada por Nossa Senhora da Conceição Aparecida, em que Rosana Arantes de Moraes, proprietária do terreno sofreria de câncer nos ossos e nos seios.

Seu pai fez uma promessa a Senhora Aparecida, que se sua filha superasse o câncer ele construiria a maior imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, do mundo. Em 2002 ela foi curada. Em 2003 seu pai faleceu.

Rosana Arantes começou a juntar dinheiro para pagar a promessa feita pelo seu pai. No final de 2005 ela começou a obra.

No dia 19 de dezembro de 2006 a imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida foi inaugurada com 17, 6 metros.

Por dentro da imagem há 43 degraus (escada em caracol) que se pode chegar até suas mãos postas onde a sensação é de estar sendo coberto pelo seu manto.

Em 24 de fevereiro de 2008 Rosana Arantes de Moraes enfartou e nos deixou”.



Uma investigação para os Autos do Processo

Fiquei sabendo que nessa construção da imagem iniciada no final de 2005, foi inaugurada no dia 19 de dezembro de 2006, onde foram gastos 375 sacos de cimento para moldar em concreto a obra 17,6 metros de comprimento.

Ontem voltei ao local da Santa do Morro, está tudo abandonado, senti que havia algo mais atrás disso! A escada estava bloqueada, muitas coisas dos devotos espalhados pelo chão e a pequena mercearia, onde podia-se conseguir um café, algo comestível, uma água, um banheiro, não existia mais só as paredes semidestruídas.

Escavaram e cortaram os canos de água e na caixa de energia elétrica só havia o suporte dos disjuntores e nada mais.

Parece ter havido uma imposição de interesses alheios que sentiu haver no local uma peregrinação que tendia a crescer e alguém pôs fim em tudo isso na Comunidade do Mirante...mas quem destruiria tamanha fé?


Ref.:

Comunidade Mirante da Santa Aparecida: www.mirantedasantaparecida.bloçspot.com


sexta-feira, 19 de agosto de 2022

13 de Agosto, dia das Tradições Santamarenses: Qual acontecimento relevante houve nesta data em Santo Amaro/SP ?

As datas precisam ter alguma importância, um significado, para as pessoas relembrarem, e que representa algo importante, que marque historicamente uma localidade, no tempo e no espaço!

Por exemplo, hoje,  19 de agosto comemora-se o Dia do Historiador para homenagear Joaquim Nabuco, nascido em 19 de agosto de 1849que, além de diplomata, escritor, político, jornalista, abolicionista e um dos pais da Academia Brasileira de Letras, era historiador”. Ainda neste mesmo dia comemora-se o Dia Mundial da Fotografia, para celebrar à invenção do daguerreótipo, o antecessor das câmeras fotográficas, anunciado mundialmente a nova invenção em 19 de agosto de 1839 pela Academia Francesa de Ciências.

Evidentemente que no âmbito da historiografia mundial, além do anunciado, há muitos acontecimentos de importância em muitas regiões tradicionais em datas específicas e que são evidenciadas por longa data, por tradição local.

Quanto ao Dia das Tradições Santamarenses[1] fixado em 13 de agosto para Santo Amaro, qual relação há com algum fato marcante na região?

Houve alguma pesquisa na historiografia de Santo Amaro para fazer a proposta de uma lei a favor da data par parte do representante municipal?

 Algumas datas marcantes que ocorreram em Santo Amaro Paulistano

12 de agosto de 1560, primeiro registro de terras na região. O capitão Francisco de Moraes doa à Companhia de Jesus, através de seu provincial, Padre Luís de Grã, fez a posse oficial de duas léguas de terras na margem esquerda do rio  Jeribatiba, (atual Rio Pinheiros).

16 de agosto de 1607 primeira corrida de ferro feita nos assentos de Martin Rodrigues Tenório: “O engenho de Ferro começou a fundir quinta-feira a 16 de agosto de 1607 ao qual possuíram por nome Nossa Senhora de Agosto que é a Assunção Bendita e seu dia 15 do dito mês”.

Em 14 de janeiro de 1686 a capela de Ibirapuera foi elevada à categoria de Freguesia de Santo Amaro pelo segundo (embora o primeiro D. Frei Manoel Pereira, dominicano, confirmado por Bula de 22 de novembro de 1676, nunca assumiu) Bispo do Rio de Janeiro, Dom José de Barros Alarcão, secular que assumiu a mitra em de 19 de agosto de 1680 (embora conste a posse em 1681) até 06 de abril de 1700.

Em 15 de janeiro comemora-se o dia e mês do abade beneditino Santo Amaro (santo cristão, do século 6º, também denominado Mauro, considerado protetor dos agricultores, carroceiros e carregadores

Em 29 de junho de 1829, foram assentados no planalto de Santo Amaro, na então Província de São Paulo, os primeiros imigrantes alemães originários de Hundsrück, Estado da Renânia-Palatinado.

Em 10 de julho de 1832, por decreto da Regência, Santo Amaro tornou-se Vila da Província de São Paulo.

Em 6 de maio de 1833 ocorreu a primeira sessão da Câmara de Santo Amaro.

Em 04 de março de 1835, foi nomeado o primeiro prefeito de Santo Amaro, capitão da Guarda Nacional, Manoel José Moraes, pelo governador da província, Rafael Tobias de Aguiar.

Em 13 de outubro de 1835, Manoel José Moraes toma posse como primeiro prefeito de Santo Amaro.

Em 25 de maio de 1838, Manoel José Moraes, promoveu a vacinação dos moradores de Santo Amaro, contra a bexiga. (vacinação tão em voga nos dias atuais, era um preocupação antiga)

9 de maio de 1856, inauguração do Cemitério de Santo Amaro (o Cemitério da Consolação, considerado o primeiro cemitério da cidade de São Paulo foi inaugurado 15 de agosto de 1858) quando Santo Amaro possuía autonomia administrativa (Cidade de 1832 a 1935) cumprindo o artigo 66, da Lei Régia de 1º de outubro de 1828.

Em 25 de abril de 1880, por lei provincial número 1212, foi autorizado a construção de uma ferrovia ligando São Paulo à Santo Amaro.

Em 14 de novembro de 1886, Dom Pedro 2º, Imperador do Brasil, e a Imperatriz Tereza Cristina estiveram na cidade de São Paulo e na Vila de Santo Amaro, para conhecerem a "Companhia de Carris de Ferro de São Paulo a Santo Amaro", idealizada pelo engenheiro alemão, naturalizado, Georg Albrecht Hermann Kuhlmann, inaugurada nesta data,

Em 23 de maio de 1897,  inaugurou-se o Mercado Municipal de Santo Amaro. Edital da obra foi publicado em 5 de maio de 1893, assinado pelo então intendente Municipal, Luiz Gonzaga de Miranda Guerra. Construção iniciada em 15 de julho de 1896. A inauguração do Mercado Municipal tem como data presumível o dia 23 de maio de 1897, quando foi expedido um recibo de 15$000 réis para “foguetório para a inauguração do mercado”, assinado por Amaro Antônio da Silva.

Em 9 de julho de 1888, (Praça Floriano Peixoto) o Largo da Cadeia passa a chamar-se Largo Municipal, com a inauguração da sede do governo Municipal e Câmara da cidade de Santo Amaro, conhecido atualmente como Casa Amarela. Cinco anos após a Proclamação da República, no dia 26 de maio de 1894, o Largo Municipal passa a se chamar Praça Floriano Peixoto.

Em 15 de dezembro de 1895, houve  a Fundação da Santa Casa de Misericórdia de Santo Amaro.

Em 8 de fevereiro de 1900, foi decretada liquidação da Companhia Carris de Ferro de São Paulo a Santo Amaro, passando-a para a Light and Power.

Em 12 de novembro de 1910, foi instalado no Município de Santo Amaro o Grupo Escolar (Paulo Eiró)

Em 1º de agosto 1927, O hidroavião JAHU amerissou na Represa de Guarapiranga na Primeira Travessia do Atlântico com os comandantes João Ribeiro de Barros em Santo Amaro, atual distrito da Capela do Socorro.

Em 22 de fevereiro de 1935, pelo decreto  número 6983, Santo Amaro torna-se um bairro da Cidade de São Paulo.

Em 12 de maio de 1940, houve a inauguração do Autódromo de Interlagos/SP (Oficial José Carlos Pace)

Em 8 de janeiro de 1958, houve o primeiro Movimento Autonomista de Santo Amaro

Em 27 de março de 1968, houve a última viagem de bonde em São Paulo, ocorrido no trajeto do Instituto Biológico, (Vila Mariana) a Santo Amaro.

Em 22 de agosto comemora-se Dia do Folclore. Incentivo a importância e valorização das manifestações folclóricas no país. (primeira vez em que a palavra folclore foi utilizada para fazer referência aos costumes de um povo, referência do folclorista William John Thoms, instituída no Brasil através do Decreto nº 56.747/1965)


Personagens locais:

Julio Guerra, o artista escultor e pintor santamarense nasceu em 20 de janeiro de 1912, com seu passamento ocorrido em 21 de janeiro de 2001

Carlos da Silva Araújo, nasceu na cidade de Santos, São Paulo, em 4 de novembro de 1835, responsáveis por edificar o Mercado Municipal no Largo São Benedito, (hoje Casa de Cultura, na Praça Doutor Francisco Ferreira Lopes, como presidente da Câmara Municipal. Faleceu em 20 de março de 1906.

Em 15 de abril de 1836 nasceu em Santo Amaro, o poeta  Paulo Emilio de Salles Chagas Eiró, com passamento em 27 de junho de 1871.

O grande folclorista professor Alceu Maynard Araújo,[2] denominação de avenida em Santo Amaro, São Paulo, nasceu na cidade de Piracicaba em 21 de dezembro de 1913. Faleceu na Capital Paulista em 23 de fevereiro de 1974. 

 Outras datas ligadas as “tradições”

 Em 3 de maio homenageia a música de origem sertaneja

Em 02 de dezembro é comemorado o Dia Nacional do Samba. O gênero musical típico do Brasil. 

Em 13 de julho comemora-se a música e a viola caipira em alusão à data de nascimento de Cornélio Pires (1884-1958), folclorista e incentivador da cultura caipira no Brasil.

Apenas uma pergunta:

Afinal o que há de “acontecimento” importante em 13 de agosto em Santo Amaro que marcou a região?

Quem porventura conhecer a relevância histórica dessa data em Santo Amaro, São Paulo, curvamo-nos ao saber, pois "cada saber é um saber a saber", não é monopólio, mas patrimônio de todos!

 Referências:

http://carlosfatorelli27013.blogspot.com/2020/08/o-folclore-em-santo-amarosp-e-professor.html

http://carlosfatorelli27013.blogspot.com/2015/10/a-musica-caipira-de-santo-amarosp.html

https://carlosfatorelli27013.blogspot.com/2020/05/inauguracao-do-autodromo-de.html

http://carlosfatorelli27013.blogspot.com/2013/10/autonomia-de-santo-amarosp-quais-as.html

http://carlosfatorelli27013.blogspot.com/2012/02/fabrica-de-ferro-no-morro-da-barra-de.html

http://carlosfatorelli27013.blogspot.com/2012/09/julio-guerra-profissional-amador.html

http://carlosfatorelli27013.blogspot.com/2013/08/a-construcao-de-um-mercado-municipal-na.html

http://carlosfatorelli27013.blogspot.com/2013/05/o-cemiterio-de-santo-amaro-e-bento-do.html

http://carlosfatorelli27013.blogspot.com/2015/12/a-arquitetura-do-grupo-escolar-paulo.html

https://carlosfatorelli27013.blogspot.com/2018/06/180-anos-de-imigracao-alema-em-santo.html

http://carlosfatorelli27013.blogspot.com/2012/05/o-poeta-paulo-eiro-e-cidade-de-tatui.html



[1] LEI Nº 15.871 DE 17 DE OUTUBRO DE 2013

 

[2] Obras Literárias:
Durante sua fértil produção literária, o professor Alceu Maynard Araújo, escreveu os seguintes livros e álbuns ilustrados com fotos e desenhos:
Chuvisco de Prata -1931, Caminhos Apenas,.. - 1939, Seis Lendas Amazônicas -1943, Acampamento Ajuricaba - 1946, Cururu -1946, Danças e Ritos Populares de Taubaté • 1948, Folias de Reis de Cunha -1949, Rondas Infantis de Cananéia -1952, Documentário Folclórico Paulista -1952, Instrumentos Musicais e Implementos -1954, Literatura de Cordel -1955, Canta Brasil -1957, Ciclo Agrícola, calendário religioso e magias ligadas às plantações -1957, Cem melodias folclóricas -1957, Poranduba Paulista - 1958, Alguns Ritos Mágicos – 1958, Folclore do Mar – 1958, A Congada Nasceu em Roncesvales – 1959, Medicina Rústica – 1961, Brasil – Paisagens e Costumes – 1962, Novo Dicionário Brasileiro (Verbetes de folclore) Melhoramentos – 1962, Folclore Nacional – 1964, Escorço de Folclore de uma Comunidade – 1962, Discursos de Posse na Academia Paulista de Letras – 1965, Artesanato e Desenvolvimento – “Ocaso cearense” – José Arthur Rios” – 1970, Pentateuco Nordestino – 1971 e Cultura Popular Brasileira – 1971.


 

 

sexta-feira, 12 de agosto de 2022

Fotógrafo já era!!!

Registros de locais históricos na cidade de São Paulo


Tente registrar a Praça da Sé: já era!

Tente registrar a o Largo São Bento: já era!

Tente registrar a Estação da Luz: já era!

Tente registrar a Praça da República: já era!

Tente registrar o Vale do Anhangabaú: já era!

Tente registrar o Largo São Francisco: já era!

Tente registrar a Praça Clovis: já era!

Tente registrar o Parque Dom Pedro: já era!

Tente registrar o Largo Paissandu: já era!

Tente registrar a Praça Princesa Isabel: já era!

Tente registrar a Praça Roosevelt: já era!

Enfim tente registrar a liberdade...a sua liberdade: já era!!!

...quanto a máquina em São Paulo, “já era” no primeiro clic!!!!